Destaques
A A A
« Voltar

19.05.16

Democracia digital é tema de novo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia aprovado pelo CNPq

Democracia digital é tema de novo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia aprovado pelo CNPq

Na semana passada, o CNPq anunciou o resultado do julgamento da Chamada INCT – MCTI/CNPq/CAPES/FAPs nº 16/2014, para a criação e financiamento de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT). De acordo com o Art. 2º  da Portaria Nº 429, de 17 de julho de 2008, do MCT, que instituiu  o Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, “Os Institutos Nacionais serão formados por uma instituição sede, caracterizada pela excelência de sua produção científica e/ou tecnológica, alta qualificação na formação de recursos humanos e com capacidade de alavancar recursos de outras fontes, e por um conjunto de laboratórios ou grupos associados de outras instituições, articulados na forma de redes científico-tecnológicas”.

O CEADD havia submetido, em 2014, uma proposta de criação de um Instituto em Democracia Digital, articulando e coordenando uma rede de laboratórios brasileiros e internacionais. É com grande alegria que anunciamos a aprovação da nossa proposta, depois de um longo e rigoroso processo de admissão, análise e julgamento, conduzido por consultoria internacional e por um comitê brasileiro de altíssimo mérito científico. Foram submetidas 345 propostas, dentre as quais os 115 Institutos já existentes, tendo sido recomendadas 252, ordenadas segundo classificação de mérito. O nosso “The National Institute of Science & Technology for Digital Democracy – INCT-DD” foi aprovado em 41º lugar, o que representa um julgamento muito positivo sobre o mérito da proposta. O CNPq ainda não decidiu sobre quais propostas serão financiadas nem qual a dimensão do financiamento, começando agora uma fase de negociação que terminará apenas em 11 de Julho. As propostas habilitadas ao apoio econômico, serão financiadas pelos próximos 6 anos.

O INCT-DD agregará praticamente todos os grupos e laboratórios de pesquisa nacionais que atuam nas áreas temáticas do Instituto. O Instituto, cujo laboratório central e coordenação estará na FACOM/UFBA, inicia seus trabalhos com 79 pesquisadores-doutores, sendo 44 cientistas que atuam em centros de pesquisa brasileiros e 35 pesquisadores estrangeiros: 15 australianos, 12 pesquisadores de 8 diferentes países europeus, seis americanos, um chileno e um canadense. No total, estão envolvidas na rede do projeto 37 instituições (universidades, centros de pesquisa e laboratórios), sendo 16 brasileiras e 21 estrangeiras.

As linhas de atuação do The National Science & Technology Center for Digital Democracy – INCT-DD serão sete: e-participação, e-deliberação & esfera pública online, governo eletrônico & parlamento digital, transparência digital & governo aberto, internet e sociedade civil & grassroots e-democracy, política em ambientes digitais, além de códigos e privacidade & governança da internet.

O Instituto terá como membros do Comitê Administrativo os professores André Luiz Martins Lemos (UFBA), André Sathler Guimarães (Câmara Federal), Francisco P. Jamil Almeida Marques (UFPR), Maria Helena Weber (UFRGS) e Ricardo Fabrino Mendonça (UFMG). A coordenação ficará a cargo do professor Wilson Gomes e a vice-coordenação a cargo do professor Othon Jambeiro.

 “Estamos todos muito animados com as perspectivas de um centro de pequisa de nível internacional dedicado a explorar meios e modos de usar a tecnologia para produzir mais (e melhor) democracia”, declara o professor Wilson Gomes.